Na última sexta-feira, 15, Olivia Holt compareceu ao screening da nova série da Amazon Prime “I Know What You Did Last Summer”, baseado no popular filme slasher sucesso dos anos 90. A atriz estava acompanhada de seus amigos e de seu namorado, Tony Ferrari.

Veja fotos clicando em qualquer miniatura abaixo:

OHBR_IKWYDLS01.jpg OHBR_IKWYDLS02.jpg OHBR_IKWYDLS03.jpg OHBR_IKWYDLS01.jpg

Postado por Arthur no dia 17 de outubro de 2021

No último domingo (12), Olivia Holt compareceu ao MPTF NextGen Board Hosts 2021 Summer Party, no Sunset Tower Hotel, em Los Angeles. A atriz e cantora posou para fotos ao lado de sua amiga e colega de trabalho Kelli Berglund. Veja várias imagens na galeria:

Os paparazzis também clicaram Olivia deixando o evento. Ela estava acompanhada do seu namorado, Tony Ferrari, e do ator Ross Butler. Confira:

Postado por Douglas no dia 14 de setembro de 2021

No começo da tarde de hoje, 10, foram divulgadas fotos da Olivia Holt assistindo ao desfile da marca Michael Kors em mais um dia de New York Fashion Week (NYFW). Nas imagens divulgadas até o momento, Olivia Holt posou ao lado de Dove Cameron, Sabrina Carpenter, Lucy Hale e outras celebridades.

Clique em qualquer miniatura abaixo para conferir as fotos:

013~209.jpg 001~590.jpg 009~272.jpg 236171681_1339536904.jpg

Postado por Arthur no dia 11 de setembro de 2021

Aconteceu na noite de ontem, 8, em Nova Iorque, um coquetel organizado pela renomada empresa Dior para celebrar o lançamento da exibição “Christian Dior: Designer of Dreams”.

Olivia Holt marcou presença no coquetel e foi maquiada utilizando produtos da marca. Clique em qualquer miniatura abaixo para conferir imagens em alta qualidade:

235807105_3.jpg 235807104_2.jpg 235807103_1.jpg 235807105_3.jpg

Postado por Arthur no dia 09 de setembro de 2021

Olivia Holt concedeu uma entrevista à ELLE Magazine e falou sobre diversos momentos da sua vida – quando começou a trabalhar no Disney Channel, em “Kickin’ It”, lá em 2012, e até sobre sua mais recente apresentação com “Next” no programa “Bachelor In Paradise”, da ABC, que foi ao ar na última terça-feira, 07.

Nossa equipe fez a tradução/adaptação da entrevista completa:

Em 2019, parecia que Olivia Holt havia encontrado algo parecido com a liberdade: ela conseguiu um papel principal ao lado de Aubrey Joseph no hit Freeform, “Cloak & Dagger”, uma série feita ema parceria com a Marvel. O romance infundido de ficção científica, embora sem dúvida uma traquinagem fantástica de super-herói, tinha um ponto fraco que a jovem atriz e cantora nunca poderia ter explorado como uma rainha das telas do Disney Channel, onde passou a maior parte de sua carreira. Finalmente, aqui estava algo carnudo e – ousaria admitir – obscuro. Um sinal de boas-vindas de que o mundo finalmente a deixaria crescer.

Holt foi uma das modelos da Disney desde os 12 anos, estrelando pela primeira vez na comédia de artes marciais “Kickin’ It” em 2011, depois na fantasia “Girl vs. Monster” em 2012 e, finalmente, na sitcom “I Didn’t Do It” em 2014. Ao mesmo tempo, ela estava produzindo músicas para a rede, por meio de trilhas sonoras de filmes e até de um álbum de férias com a marca Disney. Mas foi só em 2016 que ela finalmente lançou seu próprio single de estreia com a Hollywood Records.

Então, “Cloak & Dagger”, sua primeira exibição de atuação fora do alcance do Disney Channel, marcou uma mudança clara. Não importa que Freeform ainda seja uma subsidiária da Walt Disney Company – o conteúdo era diferente, e isso significava que Holt poderia finalmente abrir caminho para fora da concha em que estava inserida. Sua maturidade apenas acelerou conforme ela lançava singles solo de mais sucesso, incluindo “Generous” e, posteriormente, “Love U Again”, e conseguiu um papel principal no thriller dos anos 90, “Cruel Summer”, um projeto ambicioso que se tornou a estreia da série mais assistida da Freeform de todos os tempos.

Agora com 24 anos, Holt chamou a atenção da indústria do entretenimento em geral. Ela tem 5 milhões de seguidores no Instagram ; A segunda temporada de “Cruel Summer” é muito esperada; e seu último single, “Next”, co-escrito com Meghan Trainor, foi grande o suficiente para lhe render uma vaga em “Bachelor in Paradise” na ABC (também de propriedade da Disney, mas sério, quem está contando?). Sim, Holt ainda se sente, de várias maneiras, como se ela estivesse no início de sua transição do prodígio da Disney para a estrela de Hollywood. Mas, agora, ela tem impulso e está correndo para mantê-lo.

Antecipando sua aparição em “Bachelor In Paradise”, Holt sentou-se com ELLE.com para discutir sua marca particular de pop, o próximo capítulo de “Cruel Summer”, e como é quando o mundo inteiro começa a ver você crescer.

Você sempre quis ser cantora ou esse sonho surgiu depois de já ter se tornado uma estrela da Disney?
A música foi meu primeiro amor. Meu pai era músico, minha irmã era nerd no teatro musical e meu irmão ouvia todos os tipos de música. Então eu acho que sempre esteve em meus ossos. Então eu me apaixonei por atuar, e foquei nisso um pouco, e isso me deu a chance de viver um pouco a vida. Como a indústria da música é uma via muito específica, você precisa entender sua voz. Você tem que saber em que direção quer seguir sonora e liricamente, e eu tive que aprender muitas coisas sobre mim para fazer isso.

Enquanto você estava desenvolvendo seu som, você olhou para determinados artistas que gostaria de imitar? Ou você estava ansiosa para se destacar?
Eu definitivamente tive inspiração de outros artistas. Eu realmente amo muitas mulheres artistas pop do Reino Unido, como Ellie Goulding, Anne-Marie e Jess Glynne, porque elas estão todas no mesmo reino, mas elas realmente solidificaram sua arte e também são diferentes e únicas.

Como você acha que seu tempo no Disney Channel influenciou o trabalho que você está fazendo agora? Você está querendo se distanciar da Disney, no estilo de alguém como Miley Cyrus ou mesmo Hilary Duff? Ou você ainda se identifica profundamente com a rede?

[Longa pausa.] Sou muito grata por esses anos. Era um playground. Eu vi tantos departamentos fazerem suas tarefas diariamente. Apenas observar isso me ajudou a entender a indústria e me apaixonar mais por ela, pegando em outros espaços como o departamento de som ou o departamento de câmeras, ou indo para a sala dos roteiristas ou seguindo diferentes diretores.

Eu tinha 12 anos quando comecei a trabalhar para a rede e não tinha ideia do que estava fazendo naquela época. Nunca encarei isso como um trabalho. Tive uma experiência incrível com isso, e estou nesta jornada incrível de transição para a idade adulta e solidificando quem eu sou como atriz, como artista, como indivíduo.

A transição pode ser incrivelmente complicada porque você é colocado em uma caixa.

Por causa de todos esses anos nessa rede, me sinto mais confiante do que nunca para tomar decisões por mim mesma, profissionalmente ou pessoalmente. Então, sim, a transição pode ser incrivelmente complicada porque você é colocado em uma caixa. Mas acho que o desafio é empolgante e será incrivelmente recompensador sempre que eu tiver a oportunidade de sair dessas zonas – e eu saí. Eu tive essa oportunidade.

Qual de seus papéis mais recentes você acha que lhe deu mais oportunidade de sair dessa caixa? E com qual papel você aprendeu mais?
Acho que haveria um empate entre os dois últimos papéis que fiz no Freeform, um em “Cloak & Dagger” e outro em “Cruel Summer”. Digo que é um empate porque, em ambos, eu realmente evoluí como ser humano. “Cloak & Dagger” me levou a um espaço onde pude aprender sobre a forma como a sociedade minimiza o sexo feminino, ou a forma como desumaniza a cultura negra. E então, em “Cruel Summer”, aprendi mais sobre manipulação e iluminação a gás. Isso realmente me ajudou a entender o mundo em que vivemos.

Tenho que perguntar: enquanto você estava filmando “Cruel Summer”, você já sabia da reviravolta no final, ou foi uma surpresa para você?
Eu não sabia de nada. Eu não sabia absolutamente nada. Todo o elenco [não sabia de nada]. Tudo foi uma surpresa para nós, mas descobrimos pequenas coisas ao longo do caminho para nos ajudar a fazer escolhas para nossos personagens e nos dar uma trajetória.

Acho que estávamos filmando o penúltimo episódio e nossos produtores me disseram o final, e demorei uma noite inteira para processá-lo. Estávamos em Dallas por, não sei, quatro meses trabalhando neste seriado, e a cada roteiro que recebíamos, estávamos implorando para descobrir o final. Quando finalmente conseguimos, demorei uma noite para processá-lo, mas fiquei muito, muito feliz e satisfeita com a forma como terminou.

Há alguma atualização que você possa nos dar sobre a 2ª temporada? Quando você vai começar a filmar?
Não sei quando vamos filmar de novo, mas acho que tudo o que eles trazerem será incrível. Essa equipe de pessoas é tão inteligente e tão boa no que faz.

O que você quer para sua personagem, Kate, na 2ª temporada?
Oh, Deus. Ok. Eu não sei. Não sei porque não escrevo. Acho que quero ver [Kate] em uma jornada com Mallory e, eventualmente, ao longo do caminho, descobrir a verdade sobre Jeanette. Acho que será realmente interessante ver até onde Kate e Mallory levam seu relacionamento.

Como surgiu o convite para tocar no “Bachelor in Paradise”, e o que te fez dizer sim?
Oh meu Deus, foi uma experiência tão divertida. Eu sou obviamente um grande fã de “The Bachelor”. Eu faço noites de pijama com meus amigos quase todas as semanas, e ficamos muito animados com isso a cada semana. Não há muita fofoca ou “jogar papo fora” na minha vida, então fico animada para me aventurar nesse mundo um pouco.

Quando [a equipe do “Bachelor in Paradise”] entrou em contato, não houve hesitação. Vendo todos os competidores juntos, eu demorei a perceber que era real.

Enquanto você estava trabalhando neste single com Meghan Trainor, como foi o processo de colaboração?
Ela realmente é uma joia. Crescemos no mesmo círculo há anos e sempre sonhei em trabalhar com ela, seja escrevendo ou mesmo colaborando em uma música. Tenho muita sorte de ter feito um projeto com alguém tão pé no chão quanto ela, porque acho que só torna a experiência muito melhor. Isso me inspirou a fazer o mesmo, especialmente neste setor que às vezes pode destruir as pessoas. Ela é apenas alguém que edifica as pessoas.

Como alguém com um grande número de seguidores nas redes sociais, como você pensa sobre sua responsabilidade – se houver – para com seu público? Você sente necessidade de compartilhar tudo online para agradar esse público que você construiu? Ou você quer uma linha firme entre o profissional e o privado?
Eu realmente luto neste espaço porque é… É complicado. Elogio muitas pessoas nas redes sociais por serem frias, honestas e transparentes sem esforço, e isso é algo que gostaria de poder fazer. Mas me vejo lutando porque quero manter uma parte da minha vida privada. Existe uma linha tênue; não sei se já encontrei, no entanto.

Estou tão obcecada pelos meus fãs e muito grata por sua lealdade e apoio, e quero expressar isso cada vez mais. Eu sinto que a única maneira de fazer isso é através das redes sociais, e é uma chatice porque me vejo excluindo tudo uma vez por semana e, em seguida, colocando de volta e excluindo novamente. Mesmo que a mídia social exista há muito tempo, parece que agora não podemos viver sem ela. Ainda estou tentando encontrar um bom ritmo para isso.

Confira as duas imagens do ensaio fotográfico – divulgadas até o momento, em nossa galeria:

Postado por Douglas no dia 09 de setembro de 2021

Mais um, Hollywood Records? Seguindo a capa das anteriores, porém, agora em uma cor roxa, Olivia Holt lançou em todas as plataformas digitais “Remix Like You Mean It”, uma playlist com 4 músicas remixes de “Next”, “love u again”, “Generous” e “Phoenix”.

O primeiro remix, de “Next”, foi feito por Bruno Martini, o de “love u again” foi feito por VARA, o de “Generous” por Martin Jensen e o último, de “Phoenix”, por Dave Audé. Todos estes já estavam disponíveis há um tempo.

Ouça a playlist no player abaixo:

Clique em qualquer miniatura abaixo para conferir a capa em alta qualidade:

001~58.jpg 001~58.jpg 001~58.jpg 001~58.jpg

Postado por Arthur no dia 03 de setembro de 2021